Orgão Oficial

CBC - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões - Journal of the Brazilian College of Surgeons

Capa

Ano 2014 - Volume 41 Número 6
Novembro / Dezembro

Editorial

1 - A transição é possível?

Is the transition possible?

Lisieux Eyer de Jesus

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):384-385

PDF PT PDF EN


Artigo Original

2 - Associação do polimorfismo Y402H do gene CFH com a resposta terapêutica ao Ranibizumabe em pacientes portadores de degeneração macular relacionada à idade neovascular

CFH Y402H polymorphism and response to intravitreal Ranibizumab in brazilian patients with neovascular age-related macular degeneration

Carlos Eduardo Veloso, Luciana Negrão Frota de Almeida, Márcio Bittar Nehemy

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):386-392

Resumo PDF PT PDF EN

Objetivo: investigar a associação entre polimorfismo do gene CFH e a resposta terapêutica ao ranibizumabe na degeneração macular relacionada à idade (DMRI) neovascular. Métodos: noventa e cinco pacientes foram submetidos à genotipagem para identificação do polimorfismo rs1061170 (Y402H) do gene CFH. Pacientes portadores de DMRI neovascular receberam inicialmente três injeções intravítreas de ranibizumabe com intervalo mensal entre elas. A partir de então, foram retratados de acordo com a necessidade. Acuidade visual (AV) e espessura macular central (EMC) foram medidas antes e 1, 3, 6 e 12 meses após o início do tratamento. Resultados: para pacientes portadores dos genótipos TT e TC, a análise pareada da AV mostrou melhora estatisticamente significativa quando os dados obtidos em todas as visitas foram comparados com aqueles obtidos antes do início do tratamento. Para pacientes homozigotos para o alelo de risco (CC), não houve diferença estatisticamente significativa quando a AV obtida nas visitas 1, 3, 6 e 12 foi comparada com aquela obtida antes do início do tratamento. Para todos os genótipos, a análise pareada da EMC mostrou melhora estatisticamente significativa em todas as avaliações. Conclusão: pacientes portadores do genótipo CC apresentaram pior resposta funcional em longo prazo após o tratamento com ranibizumabe intravítreo.


Palavras-chave: Degeneração Macular, Genética, Polimorfismo Genético, Injeções Intravítreas, Retina

3 - Segurança e tolerabilidade da oxicodona de liberação controlada em dores pós-operatórias em pacientes submetidos à operações oncológicas de cabeça e pescoço

Safety and tolerability of controlled-release oxycodone on postoperative pain in patients submitted to the oncologic head and neck surgery

Ismar Lima Cavalcanti, Ana Claudia Geraldino de Carvalho, Mariana Gonçalves Musauer, Vanessa Salóes Rodrigues, Renato Nobre Migon, Nubia Verçosa Figueiredo, Luis Antonio Vane

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):393-399

Resumo PDF PT PDF EN

Objetivo: avaliar a segurança e a tolerabilidade da oxicodona de liberação controlada no tratamento da dor pós-operatória de ressecções oncológicas de cabeça e pescoço. Métodos: estudo prospectivo, observacional e aberto. Foram estudados 83 pacientes com dor de moderada a intensa após operações oncológicas de cabeça e pescoço. Todos receberam anestesia geral com propofol, fentanil e sevoflurano. No pós-operatório, quando apresentaram dor moderada ou intensa, foi iniciada oxicodona de liberação controlada, 20mg de 12/12 horas no primeiro dia e 10mg de 12/12 horas no segundo dia. A frequência e a intensidade de efeitos adversos, a intensidade da dor pós-operatória pela escala verbal numérica e o uso de medicação analgésica de resgate foram avaliadas de 12/12 horas após a administração do medicamento e entre 7 e 13 dias após a última dose de oxicodona. Resultados: os efeitos adversos mais frequentes foram: náusea, vômito, tontura, prurido,insônia, constipação e retenção urinária, sendo a maioria, de leve intensidade. Não ocorreram eventos adversos graves. Em menos de 12 horas após o emprego da oxicodona, ocorreu diminuição significativa da intensidade da dor pós-operatória, que permaneceu até o final do estudo. A medicação de resgate foi solicitada em uma frequência maior quando a dose do opioide foi reduzida,ou após sua suspensão. Conclusão: aoxicodona de liberação controlada demonstrou ser segura e bem tolerada e promoveu diminuição significativa da dor pós-operatória.


Palavras-chave: Procedimentos cirúrgicos operatórios, Dor pós-operatória, Analgesia, Oxicodona, Ensaio clínico

4 - Procedimento de Nuss para correção de Pectus excavatum: avaliação crítica da evidência

Nuss procedure for Pectus excavatum repair: critical appraisal of the evidence

Maria Elizete de Almeida Araújo, Anderson da Paz Penha, Fernando Luiz Westphal, Marcus Tolentino Silva, Taís Freire Galvão

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):400-405

Resumo PDF PT PDF EN

Objetivo: avaliar a efetividade e segurança da correção de pectus excavatum, através da técnica de Nuss, com base nas evidências científicas disponíveis. Métodos: realizou-se uma síntese de evidências seguindo processos sistemáticos de busca, seleção, extração e avaliação crítica. Os desfechos foram classificados pela importância e tiveram sua qualidade avaliada pela ferramenta Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (GRADE). Resultados: O processo de seleção dos artigos culminou na inclusão de apenas uma revisão sistemática, a qual sintetizou os resultados de nove estudos observacionais comparando o procedimento de Nuss e ao de Ravitch. A evidência encontrada foi classificada como baixa e muito baixa qualidade. O procedimento de Nuss causou maior incidência de hemotórax (RR=5,15; IC95%: 1,07; 24,89), pneumotórax (RR=5,26; IC95%: 1,55; 17,92) e necessidade de reintervenção operatória (RR=4,88; IC95%: 2,41; 9,88) quando comparado ao de Ravitch. Não houve diferença estatística entre os dois procedimentos nos desfechos: complicações gerais, transfusão de sangue, tempo de hospitalização e tempo para deambulação. A operação de Nuss foi mais rápida que a de Ravitch (diferença média [MD] = -69,94 minutos; IC95%: -139,04, -0,83). Conclusão: Na ausência de estudos prospectivos bem delineados para clarificar a evidência, sobretudo quanto à estética e à qualidade de vida, a indicação operatória deve ser individualizada e a escolha da técnica baseada na preferência do paciente e experiência da equipe.


Palavras-chave: Tórax em funil, Medicina baseada em evidências, Efetividade, Procedimentos cirúrgicos operatórios

5 - Tratamento do aspergiloma pulmonar complexo por cavernostomia

Complex pulmonary aspergilloma treated by cavernostomy

Paula dos Santos Marsico Pereira da Silva, Giovanni Antonio Marsico, Marcell Alex Ferraz Araujo, Fernando Soares Vannucci Braz, Heron Teixeira Andrade dos Santos, Gustavo Lucas Loureiro, Anderson Fontes

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):406-411

Resumo PDF PT PDF EN

Objetivo: avaliar a efetividade da cavernostomia nos pacientes com bola fúngica complexa. Métodos: foram analisados os prontuários de pacientes submetidos à cavernostomia entre janeiro de 2005 e maio de 2013. Foram avaliados: idade, sexo, sinais e sintomas pré-operatórios, doença predisponente, exames pré-operatórios, localização do aspergiloma, agente etiológico, indicação da cavernostomia, evolução pós-operatória. Resultados: dez pacientes eram do sexo masculino. A média de idade foi 42,9 anos (34-56). O sintoma mais frequente foi o sangramento pulmonar repetido. A cavernostomia foi proposta para os pacientes com risco elevado para ressecção pulmonar, foi realizada em 17 pacientes e todos eles apresentavam sequelas de tuberculose pulmonar com lesões cavitárias. A indicação em todos os casos foi hemoptise e eliminação de catarro. As cavernostomias foram realizadas em tempo cirúrgico único. Nos 17 pacientes a caverna foi deixada aberta após a retirada do micetoma. Em todos os pacientes a hemoptise cessou imediatamente. A mortalidade operatória foi 1 (9.5%). Conclusão: a cavernostomia é uma alternativa de tratamento efetivo em pacientes com risco elevado. Pode ser útil em alguns pacientes com aspergiloma complexo, independentemente da função pulmonar ou doença bilateral. É tecnicamente fácil, de baixo risco, poupa parênquima, e realizada em tempo operatório único.


Palavras-chave: Hemoptise, Tuberculose, Aspergilose, Toracotomia

6 - Cirurgia bariátrica: repercussões na sexualidade da pessoa obesa

Bariatric surgery: impact on sexuality of the obese person

Maria Luiza Lobato Mariano, Maria Angela Boccara de Paula, Deomir Germano Bassi, Pedro Roberto de Paula

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):412-420

Resumo PDF PT PDF EN

Objetivo: Conhecer as repercussões do tratamento cirúrgico na vivência da sexualidade da pessoa obesa. Métodos: Pesquisa quali/quantitativa realizada com 30 pacientes submetidos à gastroplastia em Y de Roux, à Fobi e Capella, há pelo menos um ano. Dados obtidos por meio de entrevista individual utilizando instrumento com 10 questões mistas e uma aberta, no período de maio e junho de 2011. Os dados objetivos foram quantificados em números absolutos e percentuais e, os subjetivos foram submetidos à análise por meio do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC) e discutidos à luz do referencial publicado sobre a temática. Resultados: foram incluídos 30 pacientes com média de idade 44±12 anos, sendo 24 (80%) do sexo feminino e seis (20%) do masculino, 23 (77%) casados, 23 (96%) hipertensos e oito (33%) com diagnóstico de Diabetes Mellitus. Após a operação, 11 (37%) não relataram alteração no número de relações sexuais, porém 19 (63%) informaram que este número sofreu alteração, sendo que 16 (53%) afirmaram ter aumentado a frequência das relações sexuais, um (3%) relatou a diminuição da frequência, um (3%) não pratica mais o ato sexual e um (3%) não declarou a frequência. As ideias centrais (IC) levantadas originaram quatro DSC: Vivência da sexualidade feminina; Não vivência da sexualidade feminina; Vivência da sexualidade masculina; e Melhorias das comorbidades e fator psicológico. Conclusão: existem repercussões, de ordem física e emocional, positivas do tratamento cirúrgico da obesidade favorecendo a qualidade de vida, inclusive na sexualidade.


Palavras-chave: Obesidade mórbida, Comorbidade, Cirurgia Bariátrica, Sexualidade

7 - Função do eixo hipotálamo-hipófise-gonadal em homens cirróticos antes e após o transplante hepático

Hypothalamic-pituitary-gonadal function in men with liver cirrhosis before and after liver transplantation

Bruno T. Zacharias, Julio C. U. Coelho, Mônica B. Parolin, Jorge E. F. Matias, Alexandre C. T. de Freitas, José Luiz de Godoy

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):421-425

Resumo PDF PT PDF EN

Objetivo: avaliar a influência da doença hepática terminal e do transplante hepático ortotópico na função hipofisária e no metabolismo hormonal através da aferição dos níveis séricos dos hormônios folículo estimulante (FSH), hormônio luteinizante (HL), estradiol (E2) e prolactina (PRL) antes e após o transplante hepático. Métodos: em um estudo prospectivo, níveis séricos dos hormônios folículo estimulante (FSH), hormônio luteinizante (HL), estradiol (E2) e prolactina (PRL) de 30 paciente masculinos com cirrose foram determinados duas a quatro horas antes e seis meses após o transplante hepático. Os resultados foram comparados de acordo com o Model for End-stage Liver Disease (MELD). Resultados: acientes masculinos com cirrose hepática apresentam hipogonadismo. O FSH encontravam-se normais, porém inapropriadamente baixos devido à falência androgênica; já o E2 e o PRL estavam elevados. Após o transplante hepático, os níveis de FHS e HL aumentaram (p < 0,05), enquanto o E2 e o PRL normalizaram (p < 0,05). O MELD não influenciou as alterações no FSH, HL ou PRL, todavia, quanto mais grave a cirrose, mais significante foi a normalização do E2 (p=0,01). Conclusão: pacientes masculinos com cirrose e hipogonadismo apresentam níveis inapropriadamente normais de FSH e HL, associados com elevação do E2 e PRL. Após o transplante hepático, FSH e HL aumentaram, enquanto E2 e PRL retornaram aos valores normais. As alterações nos níveis de E2 foram mais pronunciadas em pacientes com MELD > 18. A gravidade da cirrose não teve influência no FSH, HL e PRL.


Palavras-chave: Transplante de Fígado, Cirrose Hepática, Hipófise, Hipogonadismo

8 - Avaliação ultrassonográfica da síndrome do túnel do carpo antes e após cirurgia bariátrica

Ultrasound evaluation on carpal tunnel syndrome before and after bariatric surgery

Adham do Amaral e Castro, Thelma Larocca Skare, Paulo Afonso Nunes Nassif, Alexandre Kaue Sakuma, Bruno Luiz Ariede, Wagner Haese Barros

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):426-433

Resumo PDF PT PDF EN

Objetivo: verificar a prevalência da STC em pacientes obesos candidatos à cirurgia bariátrica comparada com a prevalência em indivíduos não obesos e em pacientes já submetidos ao procedimento cirúrgico para verificar se as medidas de perda de peso influem na prevalência e gravidade dos sintomas. Métodos: três grupos de indivíduos foram estudados: 1) candidatos à cirurgia bariátrica (pré-operatório); 2) já submetidos ao tratamento cirúrgico bariátrico (pós-operatório) e 3) grupo controle. Foram coletados dados demográficos e clínicos referentes à síndrome do túnel do carpo. Foi realizada ultrassonografia para medição da área da secção transversa do nervo mediano para o diagnóstico da síndrome. Resultados: foram incluídos 329 indivíduos (114 no grupo pré-operatório, 90 no grupo pós-operatório e 125 controles). Houve maior prevalência de parestesias quando se comparou o grupo pré-operatório com o controle (p<0,00001). Houve diminuição das parestesias (p=0,0002) e da área da secção transversa do nervo mediano (p=0.04) nos pacientes do pós-operatório, mas não houve diferença significativa na prevalência geral da síndrome do túnel do carpo. Foi observada diferença significativa entre os grupos pré e pós-operatório (p=0,05) nos indivíduos que realizavam trabalho não manual. Conclusão: houve maior prevalência da síndrome do túnel do carpo entre o grupo pré-operatório comparado com o controle, mas não se observou diferença significativa entre os grupos pré e pós-operatório no geral. Houve diferença entre os grupos pré e pós-operatório dentre os trabalhadores não manuais.


Palavras-chave: Obesidade, Síndrome do Túnel do Carpo, Ultrassonografia, Cirurgia Bariátrica

9 - Uso de retalhos musculares locais para cobertura de exposições ósseas na perna

Use of local muscle flaps to cover leg bone exposures

Francisco d'Avila, Diogo Franco, Bianca d'Avila, Marcio Arnaut Jr.

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):434-439

Resumo PDF PT PDF EN

Objetivo: avaliar o uso de retalhos de porção medial do músculo gastrocnêmio e/ou de músculo sóleo como tratamento cirúrgico de exposição óssea da perna. Métodos: foram analisados, retrospectivamente, os prontuários de pacientes submetidos à transposição dos músculos gastrocnêmio medial e/ou sóleo para tratar exposição óssea na perna, no período de janeiro de 1976 a julho de 2009. Foram avaliados, além dos dados epidemiológicos, a etiologia da lesão, o intervalo de tempo decorrido entre a lesão inicial e a transposição muscular, o músculo utilizado para cobrir a lesão, a evolução da cicatrização da cobertura cutânea e a função da unidade gastrocnêmio-sóleo. Resultados: foram operados 53 pacientes, variando a faixa etária entre 09 e 84 anos (média de idade de 41 anos), sendo 42 do sexo masculino e 11 do sexo feminino. A lesão inicial principal foi de origem traumática (84,8%), consistindo de fratura de tíbia e/ou fíbula. O músculo utilizado com maior frequência foi o sóleo em 40 casos (75,5%). Classificou-se 49 pacientes (92,5%) como resultado excelente ou bom, 03 (5,6%) como regular e 01 (1,9%) como insatisfatório. Conclusão: o tratamento da exposição óssea com retalhos musculares locais (gastrocnêmio e ou sóleo) possibilita a obtenção de resultados satisfatórios na cobertura das estruturas expostas, favorecendo a vascularização local e melhora da lesão inicial. Apresenta como vantagens a realização do tratamento em um só tempo cirúrgico, uma recuperação mais precoce e diminuição do tempo de internação.


Palavras-chave: Extremidade inferior, Músculo esquelético, Retalho miocutâneo, Pernas - cirurgia

10 - Estudo anatômico topográfico da relação do nervo ciático com o portal posterior nas artroscopias de quadril

Topographic anatomical study of the sciatic nerve relationship to the posterior portal in hip arthroscopy

Berliet Assad Gomes, Max Rogério Freitas Ramos, Rossano Kepler Alvim Fiorelli, Camila Rodrigues de Almeida, Stênio Karlos Alvim Fiorelli

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):440-444

Resumo PDF PT PDF EN

Objetivo: avaliar a relação anatômica topográfica entre o nervo ciático, em relação ao músculo piriforme, e o portal posterior utilizado para a realização da artroscopia de quadril. Métodos: foi realizada a dissecção de 40 quadris, de 20 cadáveres, indivíduos adultos, brasileiros, sendo 17 do sexo masculino e três do feminino, seis negros, seis pardos e oito brancos. Foram estudadas a relação anatômica entre o nervo ciático e o músculo piriforme com suas respectivas variações e a distância entre o bordo lateral do nervo ciático e o portal posterior, utilizado na artroscopia de quadril. Foram classificadas as alterações anatômicas encontradas no trajeto do nervo ciático relativo ao musculo piriforme. Resultados: dezessete cadáveres apresentavam bilateralmente a relação entre o nervo ciático e o músculo piriforme enquadradas no tipo A. Foram encontradas as seguintes variações anatômicas: 12,5% de variante tipo B e uma distância média entre o nervo ciático e o portal para artroscopia de 2,98cm. Um corpo apresentava variação anatômica tipo B no quadril esquerdo e tipo A no direito. Conclusão: a confecção do portal artroscópico posterior para a articulação do quadril deve ser realizada com marcação criteriosa do maciço trocantérico; havendo dificuldade para localizá-lo, recomenda-se um pequeno acesso cirúrgico. O ponto de acesso para o portal não deve ultrapassar dois centímetros em direção posterior à faceta póstero-superior do grande trocanter, e deve ser confeccionado com o membro em rotação interna de 15 graus.


Palavras-chave: Artroscopia, Quadril, Variação anatômica, Nervo ciático, Ortopedia

Revisão

11 - Neoplasias papilíferas do trato biliar

Papillary neoplasias of the biliary tract

Vivian Resende, João Paulo Lemos da Silveira Santos, Rodrigo Vieira Gomes, Paula Vieira Teixeira Vidigal, Moisés Salgado Pedrosa

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):445-450

Resumo PDF PT PDF EN

Os autores fizeram um estudo revisional sobre as lesões intraepiteliais papilíferas em ductos biliares, caracterizadas por serem um tipo de colangiocarcinoma raro, de crescimento intraductal. Foram revisados os artigos publicados nos últimos 10 anos. Os autores consideraram que a evolução adenoma-carcinoma é uma característica importante para se adotar medidas profiláticas por meio de ressecções. O tipo histológico e comportamento biomolecular podem ter relevância na evolução pós-operatória destas afecções que apresentam melhor prognóstico quando comparadas aos outros tipos histológicos.


Palavras-chave: Neoplasias, Mucinas, Ducto biliar, Ampola de Vater, Vesícula biliar

Nota Técnica

12 - A introdução da hepatonavegação no Brasil

The introduction of navigation in liver surgery in Brazil

Mauro Monteiro Correia, José Paulo de Jesus, Raul Feitosa, Dário Augusto Oliveira

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):451-454

Resumo PDF PT PDF EN

Os autores relatam minuciosamente o desenvolvimento, os aspectos técnicos e a realização das primeiras ressecções hepáticas navegadas, por laparotomia e por laparoscopia, no Brasil, feitas no Instituto Nacional de Câncer, Ministério da Saúde, Brasil, usando um navegador cirúrgico.


Palavras-chave: Técnicas e procedimentos diagnósticos, Imagem tridimensional, Processamento de imagem assistida por computador, Fígado, Hepatectomia

13 - Uso de retalho muscular de parede abdominal para reconstrução ureteral. Estudo experimental em coelhos

Ureteral reconstruction with abdominal wall muscle flap: experimental study in rabbits

Nelson Alfred Smith, Paulo Cesar Silva, Manoel Luiz Ferreira, Alberto Schanaider

Rev. Col. Bras. Cir. 2014;41(6):455-456

Resumo PDF PT PDF EN

Os autores detalham o desenvolvimento experimental de uma técnica para a reconstrução do ureter, utilizando um retalho muscular da parede abdominal, na forma tubular. O resultado preliminar indica a viabilidade desta técnica operatória.


Palavras-chave: Ureter, Retalhos Cirúrgicos, Parede Abdominal

Indexada em:

Copyright 2015 - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões