Orgão Oficial

CBC - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões - Journal of the Brazilian College of Surgeons

AHEAD OF PRINT
Ano 2018 - Volume 45 Número 5
Setembro / Outubro


Português

Capa

English

Capa

VERSÃO EM E-BOOK

Ano 2018 - Volume 45 Número 4
Julho / Agosto


Português

Capa

English

Capa

VERSÃO EM E-BOOK

Indexada em:

Apoio:

Artigo Original

Elaboração de protocolo de condutas em traqueostomias no hospital referência de tratamento do câncer do Amazonas

Elaboration of a tracheostomy conduct protocol in the Amazonas cancer reference hospital

Maria Carolina Coutinho Xavier Soares, ACBC-AM; Fernando Luiz Westphal, TCBC-AM; Luiz Carlos de Lima; Jefferson Moreira Medeiros

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-11; e1744

Resumo

OBJETIVO: criar um manual de rotina multidisciplinar de condutas em traqueostomias para pacientes adultos e pediátricos da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas.
MÉTODOS: o protocolo foi desenvolvido por meio do método Delphi modificado, que consistiu na aplicação de duas séries de questionários a 20 profissionais da unidade.
RESULTADOS: treze profissionais concluíram as duas etapas. Na primeira etapa, 53 de 92 questões apresentadas obtiveram consenso (57,6%). Estas sentenças que obtiveram consenso formaram o texto da segunda etapa, que foi dividido em oito capítulos que foram avaliados por meio da marcação de respostas oferecidas em uma escala Linkert. Todos os capítulos apresentados na segunda etapa obtiveram consenso, significando que a soma das respostas concordo e concordo plenamente foram todas acima de 70%.
CONCLUSÃO: utilizando os dados obtidos no consenso, foi elaborado um protocolo de condutas em traqueostomias e um manual de orientações de cuidados para os pacientes e seus cuidadores.


Palavras-chave: Protocolos Clínicos. Traqueostomia. Oncologia. Hospitais Universitários.

Modulação da cicatrização na cirurgia do glaucoma após aplicação de acetato de triancinolona subconjuntival isolado ou em associação à mitomicina C: estudo experimental

Healing modulation in glaucoma surgery after application of subconjunctival triamcinolone acetate alone or combined with mitomycin C: an experimetal study

Hayana Marques do Aragão Rangel; Hévila Tamar Rolim; Paula Vidigal; Ivana Duval de Araújo; Sebastião Cronemberger

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-9; e1861

Resumo

OBJETIVO: estudar a eficácia e segurança do uso de acetato de triancinolona subconjuntival isolado ou em associação à mitomicina C como modulador da cicatrização de trabeculectomias em coelhos.
MÉTODOS: trinta coelhos machos, albinos, raça Nova Zelândia foram submetidos à trabeculectomia bilateralmente. Os animais foram divididos em quatro grupos experimentais com 15 olhos por grupo: controle, mitomicina C, acetato de triancinolona e acetato de triancinolona + mitomicina C. Tonometria de aplanação e análise clínica da bolha através do Sistema de Graduação de Moorfields foram obtidas no pós-operatório. Para a avaliação da cicatrização, procedeu-se à análise quantitativa do infiltrado inflamatório (polimorfonucleares) através da coloração Hematoxilina & Eosina e da proliferação vascular por imuno-histoquímica.
RESULTADOS: foi observada em todos os grupos diminuição significativa da pressão intraocular pós-operatória em relação à pré-operatória (p<0,001). Contudo, não houve diferença entre os grupos (p=0,186). O grupo acetato de triancinolona + mitomicina C apresentou melhores índices na altura máxima da bolha e na vascularização da área central da bolha (p=0,001); além disso, houve menor resposta inflamatória (p=0,001) e menor proliferação vascular (p=0,001) na fase intermediária do estudo em relação às monoterapias.
CONCLUSÃO: a associação da mitomicina C ao acetato de triancinolona resultou numa ação sinérgica entre esses agentes, com bolhas mais amplas e difusas e menor infiltrado inflamatório e menor proliferação vascular em estágio intermediário do acompanhamento neste modelo animal.


Palavras-chave: Glaucoma. Cicatrização. Antimitóticos. Trabeculectomia. Procedimentos Cirúrgicos Oftalmológicos.

Estudo retrospectivo dos pacientes portadores de melanoma cutâneo atendidos na Universidade Federal de São Paulo

Retrospective study of patients with cutaneous melanoma treated at the Federal University of São Paulo

Tácito Ferreira; Ivan Dunshee de Abranches Oliveira Santos; Andrea Fernandes Oliveira; Lydia Masako Ferreira, TCBC-SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-7; e1715

Resumo

OBJETIVO: avaliar as características dos pacientes portadores de melanoma cutâneo atendidos no Hospital São Paulo - UNIFESP.
MÉTODOS: estudo retrospectivo de 184 casos de melanoma cutâneo. Foram analisadas as informações sobre sexo, idade, características do tumor, características histológicas e estadiamento.
RESULTADOS: a média de idade ao diagnóstico foi de 58,7 anos, com distribuição etária homogênea entre os sexos e predominância em indivíduos brancos (70,6%). Observou-se acometimento predominante de tronco, em homens (36,7%), e de membros inferiores, em mulheres (42%). A exposição solar, com queimaduras, foi mais comum entre homens (31,2%) do que entre mulheres (23,5%). Houve aumento de aproximadamente três vezes no acometimento linfonodal quando o índice mitótico subia de zero (11,9%) para uma ou mais mitoses por campo (36,2%), e aumento progressivo do acometimento linfonodal e de desfechos ruins quanto maior a espessura de Breslow: 10,2% quando menor do que 1mm e 59,2% quando maior do que 4mm.
CONCLUSÃO: as características dos pacientes portadores de melanoma cutâneo atendidos no Hospital São Paulo são semelhantes às encontradas na literatura.


Palavras-chave: Melanoma. Neoplasias Cutâneas. Mitose. Fatores de Risco. Melanoma/epidemiologia.

Estudo experimental de reconstrução da veia femoral com enxerto tubular do bipolímero de cana-de-açúcar

Experimental study of femoral vein reconstruction with sugarcane biopolymer tubular graft

Daniella Maria Souza Silva; Esdras Marques Lins, TCBC-PE; Sílvio Romero Barros Marques, TCBC-PE; Amanda Vasconcelos Albuquerque; José Lamartine Andrade Aguiar, TCBC-PE

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-8; e1837

Resumo

OBJETIVO: avaliar, através de dopplerfluxometria, de venografia, de histologia e de evolução clínica, o uso de enxertos tubulares de biopolímero de cana-de-açúcar (BP) na reconstrução de veias femorais em cães.
MÉTODOS: oito cães adultos foram submetidos à reconstrução de veia femoral, à esquerda com enxerto tubular de BP e à direita com veia autóloga. No período pós-operatório, os animais foram submetidos à avaliação clínica e dopplerfluxometria das veias femorais. Após 360 dias, os cães foram reoperados e submetidos à flebografia das veias femorais com contraste iodado. Os segmentos das veias femorais contendo os enxertos foram retirados e enviados para avaliação histopatológica.
RESULTADOS: os cães não apresentaram hemorragia, hematoma, infecção da ferida operatória ou edema dos membros operados. Um animal apresentou dilatação venosa superficial na região inguinal esquerda. A flebografia realizada 360 dias após a primeira cirurgia demonstrou que três (37,5%) enxertos de BP e sete (87,5%) do grupo controle (C) estavam pérvios. Na avaliação histopatológica foi encontrada uma reação inflamatória com neutrófilos e linfócitos na superfície externa de ambos os grupos. Na camada íntima de revestimento dos enxertos e na camada externa nos dois grupos, foi encontrada fibrose.
CONCLUSÃO: com base nos resultados obtidos com o modelo experimental utilizado, conclui-se que a BP apresenta potencial para ser utilizado como enxerto tubular para revascularização venosa, porém novas pesquisas precisam ser realizadas para confirmar a sua eficácia na revascularização de veias de médio e grande calibre, o que poderia permitir o seu uso na prática clínica.


Palavras-chave: Enxerto Vascular. Veia Femoral. Saccharum. Bioprótese. Procedimentos Cirúrgicos Vasculares. Cães.

Opções de tratamento cirúrgico em lesões cutâneas por extravasamento acidental de drogas: experiência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Surgical treatment of extravasation injuries: experience of the Hospital das Clínicas, Faculty of Medicine, University of São Paulo

Dimas André Milcheski; Wellington Menezes Motta; Rodolfo Costa Lobato; Araldo Ayres Monteiro Júnior; Rolf Gemperli, TCBC -SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-9; e1912

Resumo

OBJETIVO: relatar a experiência da Divisão de Cirurgia Plástica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo no tratamento de lesões cutâneas por extravasamento acidental de drogas.
MÉTODOS: foram incluídos os pacientes com lesões por extravasamento de drogas num período de 18 meses. Os seguintes parâmetros foram avaliados retrospectivamente: idade, diagnósticos durante internação e comorbidades, níveis séricos de albumina e hemoglobina, local de internação, droga envolvida, segmento anatômico acometido, conduta terapêutica e óbito durante internação.
RESULTADOS: foram acompanhados 14 pacientes. A principal droga envolvida foi a noradrenalina (21%). Todos os pacientes foram submetidos a desbridamento da necrose tecidual. Três pacientes foram submetidos a retalhos após preparo do leito com terapia por pressão negativa, com bons resultados. Sete pacientes não tiveram tratamento definitivo de suas lesões por falta de condições clínicas.
CONCLUSÃO: o tratamento definitivo por meio de retalhos se mostrou adequado para os casos de feridas por extravasamento de drogas em tecido subcutâneo, quando há exposição de estruturas nobres, em pacientes com condições clínicas favoráveis.


Palavras-chave: Doença iatrogênica. Extravasamento de Materiais Terapêuticos e Diagnósticos. Isquemia. Necrose. Retalhos Cirúrgicos. Cirurgia Plástica.

Repercussões em longo prazo da derivação gástrica em Y de Roux em população de baixa renda: avaliação após dez anos de cirurgia

Long-term repercussions of Roux-en-Y gastric bypass in a low-income population: assessment ten years after surgery

Francisco Felippe de Araújo Rolim; Fernando Santa Cruz; Josemberg Marins Campos, TCBC-PE; Álvaro Antônio Bandeira Ferraz, TCBC-PE

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-9; e1916

Resumo

OBJETIVO: avaliar a evolução ponderal, nutricional e a qualidade de vida de pacientes de baixa renda, após dez anos de derivação gástrica em Y de Roux (DGYR).
MÉTODOS: estudo longitudinal, retrospectivo e descritivo, que avaliou a perda do excesso de peso, o reganho de peso, a evolução da hipertensão arterial, do diabetes mellitus tipo 2, da anemia e da hipoalbuminemia em 42 pacientes de classes sociais D e E submetidos à DGYR. A qualidade de vida foi avaliada através do Bariatric Analysis and Reporting Outcome System(BAROS).
RESULTADOS: dos 42 pacientes, 68,3% se definiram como não praticantes de atividade física regular, e somente 44,4% e 11,9% tinham acompanhamento médico e nutricional regulares, respectivamente. Foi encontrada média da perda do excesso de peso de 75,6%±12 (IC=71,9-79,4) e perda ponderal insuficiente apenas em um paciente. O reganho ponderal médio foi de 22,3%±16,2 (IC=17,2-27,3), com 64,04% da amostra apresentando reganho maior do que 15% do peso mínimo. 52,3% da amostra apresentou anemia após dez anos de cirurgia e 47,6% deficiência de ferro. Hipoalbuminemia foi encontrada em 16,6% da amostra. Houve remissão da HAS em 66% e do diabetes mellitus tipo 2 em 50%. O BAROS demonstrou melhora na qualidade de vida em 85,8% dos pacientes.
CONCLUSÃO: pudemos observar, em uma população com diversas limitações socioeconômicas, que a DGYR manteve resultados satisfatórios quanto à perda peso, mas o seguimento ineficiente pode comprometer o resultado final, especialmente no que diz respeito às deficiências nutricionais.


Palavras-chave: Obesidade. Cirurgia Bariátrica. Derivação Gástrica. Qualidade de Vida.

Avaliação das complicações pós-operatórias em pacientes idosos submetidos à parotidectomia

Evaluation of postoperative complications in elderly patients submitted to parotidectomy

Milton Sérgio Bohatch Júnior; Ramon Alves Mendes; Amanda Fernandes Vidal da-Silva; Mariana Simonato Lorenzini; Andre Wolf Dohler2 Agnaldo José Graciano

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-11; e1896

Resumo

OBJETIVO: avaliar subtipos histológicos mais incidentes e as principais complicações pós-operatórias em pacientes idosos portadores de tumor de parótida e submetidos à parotidectomia.
MÉTODOS: estudo retrospectivo de 57 pacientes idosos submetidos à parotidectomia, no período de 2003 a 2017, no Hospital Municipal São José de Joinville, Santa Catarina, Brasil.
RESULTADOS: trinta e três (57,9%) pacientes tinham tumores benignos, sendo o mais frequente o tumor de Warthin, e 17(29,8%) tumores malignos, sendo o carcinoma escamoso o mais frequente. Sete (12,3%) pacientes evoluíram com complicações clínicas, sendo a labilidade pressórica e as complicações respiratórias as mais incidentes em quatro (7%) e três (5,3%) casos, respectivamente. Treze (22,1%) pacientes apresentaram complicações cirúrgicas relacionadas à ferida operatória, sendo o hematoma e a infecção de ferida as mais incidentes, com seis (10,5%) casos cada. Vinte e quatro (42,1%) pacientes tiveram algum grau de disfunção do nervo facial no pós-operatório, sendo o grau III de Brackman-House, em 11 casos (19,3%), o mais frequente. O tempo cirúrgico e a linfadenectomia mostraram associação com complicações clínicas. As principais variáveis que apresentaram associação com complicações cirúrgicas foram: tamanho do tumor, tempo cirúrgico mais longo, reoperação e volume de infusão de cristaloides no transoperatório.
CONCLUSÃO: as neoplasias parotídeas apresentam perfil diferenciado na população idosa, destacando-se o tumor de Warthin e o carcinoma escamoso. Hematoma e infecção da ferida operatória, e as lesões do nervo facial foram as complicações mais prevalentes no pós-operatório.


Palavras-chave: Glândula Parótida. Neoplasias. Neoplasias Parotídeas. Idoso. Período Pós-Operatório..

Complicações em colonoscopia: experiência uni-institucional com 8968 pacientes

Colonoscopy complications: experience with 8968 consecutive patients in a single institution

Roger Beltrati Coser, TCBC-SP; Marcelo Bellini Dalio; Lorraine Cristina Passos Martins; Gustavo Fernandes de Alvarenga, AsCBC; Camila Aloise Cruz; Antonio Rocco Imperiale; Camila Campos Padovese; Gustava Andrade de Paulo; José Carlos Teixeira Júnior

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-8; e1858

Resumo

OBJETIVO: avaliar a incidência, características epidemiológicas, diagnóstico e evolução dos pacientes que retornaram às unidades de pronto atendimento (UPA) do Hospital Albert Einstein em São Paulo/SP com sinais e sintomas sugestivos de complicações até 30 dias após realização de colonoscopia.
MÉTODOS: estudo retrospectivo uni-institucional de pacientes submetidos à colonoscopia em 2014 e que retornaram, em até 30 dias após o procedimento, a uma UPA.
RESULTADOS: foram realizadas colonoscopias em 8968 pacientes, dos quais 95 (1,06%) tiveram queixa relacionada à possível complicação. A maioria dos procedimentos foi realizada eletivamente. Complicações menores (dor abdominal inespecífica/ distensão) foram frequentes (0,49%) e a maioria dos pacientes recebeu alta após consulta na UPA. Complicações graves foram menos frequentes: perfuração (0,033%), hemorragia digestiva baixa (0,044%) e obstrução intestinal (0,044%). A procura à UPA em menos de 24 horas após o procedimento associou-se a maior índice de colonoscopias normais (P=0,006), mais diagnóstico de febre (P=0,0003) e síndrome dispéptica (P=0,043) e menos diagnóstico de colite/ileíte (P=0,015). A presença de febre em pacientes atendidos na UPA associou-se ao diagnóstico de pólipos na colonoscopia (P=0,030).
CONCLUSÃO: os dados do presente estudo corroboram as evidências de segurança do exame de colonoscopia e apontam para redução nos índices de complicações mais graves deste exame.


Palavras-chave: Colonoscopia. Febre. Dor Abdominal. Serviços Médicos de Emergência.

Trauma cardíaco fatal na cidade de Manaus/AM, Brasil

Fatal cardiac trauma in the city of Manaus, Amazonas state, Brazil

Antônio Oliveira de Araújo; Fernando Luiz Westphal, TCBC-AM; Luiz Carlos de Lima; Jéssica de Oliveira Correia; Pedro Henrique Gomes; Emanoel Nascimento Costa; Luciana Mac edo Level Salomão; Cleinaldo Nascimento Costa, TCBC-AM

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-8; e1888

Resumo

OBJETIVO: determinar o índice de trauma cardíaco fatal na cidade de Manaus e esclarecer os mecanismos de trauma e de morte, o tratamento hospitalar prévio, assim como as lesões associadas ao trauma cardíaco.
MÉTODOS: estudo retrospectivo, observacional, transversal, que revisou os laudos de necropsias do Instituto Médico Legal de Manaus entre novembro de 2015 e outubro de 2016, cuja causa mortis foi lesão cardíaca.
RESULTADOS: o índice de trauma cardíaco foi de 5,98% (138 casos) dentre 2306 necropsias realizadas no período do estudo. Homens foram afetados em 92%. A mediana de idade foi de 27 anos (14 a 83). A arma de fogo foi o mecanismo de trauma em 62,3% e a arma branca em 29,7%. A exsanguinação foi responsável pela maioria das mortes e o tamponamento cardíaco esteve presente emsegundo lugar. Óbito no local ocorreu em 86,2%. Os ventrículos foram as câmaras mais lesionadas. O hemotórax foi descrito em 90,6%. Apenas 23 (16,7%) doentes foram removidos até o pronto socorro, porém seis deles (26,2%) não foram submetidos à toracotomia, apenas à drenagem de tórax. O pulmão foi acometido em 57% unilateralmente e 43% bilateralmente.
CONCLUSÃO: o trauma cardíaco fatal representou um índice de 5,98% na cidade de Manaus. A maioria dos doentes morre na cena do trauma, geralmente devido à exsanguinação causada por ferimento de arma de fogo. Cerca de um quarto dos pacientes que chegaram ao pronto socorro e morreram, não foram diagnosticados com trauma cardíaco em tempo hábil.


Palavras-chave: Traumatismos Cardíacos. Tamponamento Cardíaco. Exsanguinação. Mortalidade.

Trauma vascular na Amazônia: atualizando o desafio

Vascular trauma in the Amazon: updating the challenge

Adenauer Marinho de Oliveira Góes Junior, TCBC-PA; Joaquim Fernando Albuquerque Simões Neto; Simone de Campos Vieira Abib, TCBC-SP; Mariseth Carvalho de-Andrade; Thaiana Cerqueira Ferraz, ACBC-PA

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-13; e1844

Resumo

OBJETIVO: avaliar dados epidemiológicos dos pacientes operados por trauma vascular em hospital de referência para traumatismos vasculares do Estado do Pará, determinar as variáveis que aumentam o risco de óbito e fazer uma análise comparativa com os resultados previamente publicados pela mesma instituição.
MÉTODOS: estudo retrospectivo analítico realizado através da coleta de dados de pacientes operados por lesões vasculares, entre março de 2013 e março de 2017. Foram analisados dados demográficos e epidemiológicos, como o mecanismo e topografia da lesão, distância entre o local do trauma e o hospital, tipo de tratamento e complicações. Foi feito ainda o estudo de uma matriz de correlação com regressão logística entre as variáveis e a ocorrência de óbito.
RESULTADOS: foram estudados 288 pacientes, com 430 lesões; 92,7% era do sexo masculino, 49,7% entre 25 e 49 anos de idade; 47,2% das lesões foi ocasionada por projéteis de arma de fogo; 47,2% das lesões situava-se nos membros superiores, 42,7% nos membros inferiores, 8% em região cervical, 3,1% torácicas e 0,7% abdominais; 52,8% dos pacientes teve hospitalização por sete dias ou menos. Amputação foi necessária em 6,9% e a mortalidade foi 7,93%.
CONCLUSÃO: distâncias superiores a 200km foram associadas à internação prolongada e maior probabilidade de amputação de membros. Foi encontrada correlação significativa entre a ocorrência de óbito e o fato de haver lesão arterial, lesão vascular na topografia cervical e lesão vascular na topografia torácica.


Palavras-chave: Ferimentos e Lesões. Lesões do Sistema Vascular. Vasos Sanguíneos. Amputação.

Artigo de Revisão

Terapêutica anestésica para o alívio da dor aguda pós-colecistectomia videolaparoscópica: revisão sistemática

Anesthetic therapy for acute pain relief after laparoscopic cholecystectomy: systematic review

Renato Ribeiro de Jesus; Adebaldo Maia Leite; Simone Soares Leite; Márcio Carneiro Vieira; Nivaldo Ribeiro Villela

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-11; e1885

Resumo

A terapêutica inadequada da dor pós-operatória em colecistectomia videolaparoscópica pode levar a mobilização tardia, insatisfação do paciente, atraso na alta hospitalar e desenvolvimento de dor crônica. Objetivou-se identificar qual a melhor estratégia terapêutica disponível ao anestesiologista na terapia da dor aguda pós-operatória de pacientes submetidos à colecistectomia videolaparoscópica eletiva. Trata-se de revisão sistemática que incluiu 36 artigos completos indexados nas bases de dados Medline, Scopus, Web of Science e LILACS, com recorte temporal de cinco anos (2012 a 2016), resultantes de estudos controlados e randomizados que foram submetidos à análise qualitativa. Em uma proposta de analgesia multimodal, é importante considerar as contraindicações, os efeitos adversos, a dose e o momento ideal das intervenções. Utiliza-se fármacos não opioides, como anti-inflamatórios não esteroides (AINES)/inibidores da ciclo-oxigenase-2 (COX-2), gabapentina/pregabalina, antagonistas dos receptores N-methyl-D-aspartato (NMDA), entre outras. Os opioides podem ser utilizados em doses baixas associadas ou não a terapia multimodal e/ou ficarem restritos aos casos em que a analgesia multimodal não opioide for insuficiente. Conclui-se que não há consenso sobre qual a melhor estratégia analgésica a ser implementada na dor aguda pós-operatória da colecistectomia videolaparoscópica, o que requer sua aplicabilidade de forma individualizada, com base nas evidências científicas encontradas na literatura. Aponta-se como contribuições para o ensino e a prática profissional o enriquecimento teórico das opções medicamentosas analgésicas disponíveis para a terapêutica da dor pós-operatória de pacientes submetidos à colecistectomia videolaparoscópica eletiva, além de alertar a equipe para considerar os efeitos adversos das intervenções implementadas.


Palavras-chave: Dor Pós-Operatória. Colecistectomia Laparoscópica. Analgesia. Revisão.

Nota Técnica

Quimioterapia Aerossolizada e Pressurizada Intraperitoneal (PIPAC) por monoportal: aplicação alternativa no controle das metástases peritoneais

Pressurized Intraperitoneal Aerosol Chemotherapy (PIPAC) through a single port: alternative delivery for the control of peritoneal metastases

Rafael Seitenfus; Antonio Nocchi Kalil, TCBC-RS; Eduardo Dipp de-Barros; Guilherme Fedrizzi

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-8; e1909

Resumo

A carcinomatose peritoneal é a evolução natural das neoplasias gastrointestinais, ginecológicas e primárias do peritônio. Nos últimos anos, a carcinomatose passou a ser considerada uma doença confinada ao peritônio, e não mais uma doença disseminada. Desta forma, a associação de citorredução cirúrgica associada à quimioterapia intraperitoneal se tornou o ponto chave no controle das metástases peritoneais. Tradicionalmente, a quimioterapia intraperitoneal é aplicada utilizando soluções líquidas. Uma nova modalidade de infusão da quimioterapia na cavidade abdominal surge como uma alternativa ao método tradicional. A chamada PIPAC (Pressurized Intraperitoneal Aerosol Chemotherapy) transforma a solução terapêutica líquida em um spray aerossolizado, potencializando a distribuição e penetração da quimioterapia intraperitoneal. Este relato tem por objetivo descrever essa nova técnica cirúrgica inovadora, realizada pela primeira vez por um monoportal no Brasil, alterando a forma descrita originalmente para a aplicação da PIPAC.


Palavras-chave: Neoplasias Peritoneais. Procedimentos Cirúrgicos de Citorredução. Antineoplásicos. Metástase Neoplásica/ prevenção & controle. Peritônio.

Carta ao Editor

Como reduzir complicações relacionadas à drenagem pleural utilizando uma técnica guiada por ultrassom

How to reduce pleural drainage complications using an ultrasound-guided technique

Carlos Augusto Metidieri Menegozzo, TCBC-SP; Adriano Ribeiro Meyer-Pflug, TCBC-SP; Edivaldo Massazo Utiyama, TCBC-SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-2; e1952


Réplica à carta ao editor

Replication (Letter to the Editor)

Elcio Shiyoiti Hirano, TCBC-SP; Cecília Araújo Mendes

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-2; e1952


Copyright 2018 - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões