Orgão Oficial

CBC - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões - Journal of the Brazilian College of Surgeons

VERSÃO EM E-BOOK


Português

Capa

English

Capa

Ano 2017 - Volume 44 Número 6
Novembro / Dezembro

Indexada em:

Editorial

Ressecções multiorgânicas no câncer gástrico

Multiorganic resections in gastric cancer

André Maciel da Silva, TCBC-RJ

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):549-552

PDF PT PDF EN


Artigo Original

Corona Mortis: descrição anatômica e cirúrgica em 60 hemipelvis cadavéricas

Corona Mortis: anatomical and surgical description on 60 cadaveric hemipelvises

Túlio Fabiano de Oliveira Leite; Lucas Alves Sarmento Pires; Kiyoshi Goke; Júlio Guilherme Silva; Carlos Alberto Araujo Chagas

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):553-559

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: relatar a prevalência da corona mortis arterial e descrever suas aplicabilidades cirúrgicas e clínicas.
MÉTODOS: sessenta hemipelvises (50 homens e 10 mulheres) fixadas em uma solução de formalina a 10% foram dissecadas com o propósito de obter informações sobre a corona mortis. Medidas do calibre e comprimento da artéria obturatória e seu ramo anastomótico foram mensuradas com o auxílio de um paquímetro digital e submetidas a análises e comparações estatísticas no programa GraphPad Prism 6.
RESULTADOS: a corona mortis arterial esteve presente em 45% da amostra estudada. A origem mais comum da artéria obturatória foi da artéria ilíaca interna, porém, houve um caso excepcional no qual a artéria obturatória se originou da artéria femoral. O calibre do ramo anastomótico foi em média 2.7mm, enquanto que o calibre da artéria obturatória foi 2.6mm.
CONCLUSÃO: as conexões vasculares entre os sistemas obturatório, ilíacos interno e externo e epigástrico inferior são relativamente comuns sobre o ramo superior da pube. O diâmetro e a trajetória dessa artéria anastomótica podem variar. Assim, lesões iatrogênicas, fraturas pélvicas e acetabulares podem resultar em hemorragias graves que colocam a vida do paciente em risco.


Palavras-chave: Corona Mortis. Variação Anatômica. Anatomia. Cirurgia Geral.

Fatores de risco associados às complicações de apendicite aguda

Risk factors associated with complications of acute appendicitis

Ana Paula Marconi Iamarino; Yara Juliano; Otto Mauro Rosa; Neil Ferreira Novo; Murillo de Lima Favaro; Marcelo Augusto Fontenelle Ribeiro Júnior

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):560-566

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: identificar os principais fatores de risco associados ao desenvolvimento de complicações em pacientes portadores de apendicite aguda.
MÉTODOS: estudo caso controle de dados dos prontuários de 402 pacientes internados com apendicite aguda em um hospital de nível secundário, separados em dois grupos: grupo controle, com 373 pacientes que evoluíram sem complicações pós-operatórias (Grupo 1) e grupo estudo, com 29 pacientes que apresentaram complicações (Grupo 2). Foram avaliados dados demográficos, sinais e sintomas da doença, exames de imagem e dados da internação.
RESULTADOS: os fatores associados às complicações foram febre, alterações radiológicas e ultrassonográficas, descompressão brusca positiva e diarreia. Migração da dor, náuseas, vômitos e descompressão brusca positiva foram os achados significativamente mais frequentes nos dois grupos (p=0,05). Já a duração dos sinais e sintomas, em dias, no grupo 2 foi significativamente maior que no grupo 1, com mediana de três dias para o grupo com complicações (p=0,05).
CONCLUSÃO: alterações nos exames de imagem, febre, diarreia, descompressão brusca positiva, tempo de duração de sintomas e menor faixa etária estão associados à maior frequência de complicações na apendicite aguda, o que reforça a importância da anamnese, do exame físico e da indicação de exames complementares na abordagem desses pacientes.


Palavras-chave: Apendicite. Apendicectomia. Complicações Intraoperatórias. Diagnóstico.

A administração perioperatória de simbióticos em pacientes com câncer colorretal reduz a incidência de infecções pós-operatórias: ensaio clínico randomizado duplo-cego

Perioperative synbiotics administration decreases postoperative infections in patients with colorectal cancer: a randomized, double-blind clinical trial

Aline Taborda Flesch; Stael T. Tonial; Paulo de Carvalho Contu; Daniel C. Damin

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):567-573

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: avaliar o efeito da administração perioperatória de simbióticos na incidência de infecção de ferida operatória em pacientes operados por câncer colorretal.
MÉTODOS: ensaio clínico randomizado de pacientes com câncer colorretal submetidos à cirurgia eletiva e aleatoriamente designados para receberem simbióticos ou placebo por cinco dias antes do procedimento cirúrgico e por 14 dias após a cirurgia. Noventa e um pacientes foram estudados: 49 para o grupo de simbióticos (Lactobacillus acidophilus 108 a 109 UFC, Lactobacillus rhamnosus 108 a 109 UFC, Lactobacillus casei 108 a 109 UFC, Bifi dobacterium 108 a 109 UFC e fruto-oligosacarídeos (FOS) 6g) e 42 para o grupo placebo.
RESULTADOS: infecção de sítio cirúrgico ocorreu em um (2%) paciente no grupo de simbióticos e em nove (21,4%) pacientes no grupo controle (p=0,002). Três casos de abscesso intra-abdominal e quatro casos de pneumonia foram diagnosticados no grupo controle, enquanto não foram observadas tais infecções em pacientes que receberam simbióticos (p=0,001).
CONCLUSÃO:
a administração perioperatória de simbióticos reduziu significativamente as taxas de infecção pós-operatória em pacientes com câncer colorretal. Estudos adicionais são necessários para confirmar o papel dos simbióticos no tratamento cirúrgico do câncer colorretal.


Palavras-chave: Simbióticos. Infecção. Cirurgia Colorretal. Neoplasias Colorretais. Ensaio Clínico.

Protocolo de internação breve para tratamento cirúrgico de lesões por pressão: preparo ambulatorial e cobertura em tempo único

Brief hospitalization protocol for pressure ulcer surgical treatment: outpatient care and one-stage reconstruction

Dimas André Milcheski; Rogério Rafael da Silva Mendes; Fernando Ramos de Freitas; Guilherme Zaninetti; Araldo Ayres Moneiro Júnior; Rolf Gemperli, TCBC-SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):574-581

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: avaliar o protocolo de internação breve para tratamento de lesões por pressão, em vigência no Grupo de Feridas Complexas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, com ênfase na seleção do paciente, no tempo de internação, na cobertura cutânea realizada, nas complicações e nas recidivas das lesões.
MÉTODOS: coorte retrospectiva de 20 pacientes consecutivos com 25 lesões por pressão Grau IV. Todos os pacientes foram preparados em ambulatório e foram internados para fechamento cirúrgico da lesão por pressão em cirurgia única.
RESULTADOS: no total foram confeccionados 27 retalhos para cobertura de 25 feridas abordadas. Foram verificados três casos (11,1%) de deiscências menores. Não foi observada recidiva no período de seguimento pós-operatório. Nenhum paciente foi reoperado e nenhum retalho sofreu necrose parcial ou total. O tempo de internação médio foi de 3,6 dias (dois a seis dias) e o seguimento foi de 9,1 meses, em média, oscilando entre dois e 18 meses. Todos os pacientes permaneceram com a lesão fechada e nenhum deles apresentou recidiva da lesão durante o seguimento.
CONCLUSÃO: o protocolo de internação breve para resolução de lesões por pressão foi considerado adequado, com curto tempo de internação e baixos índices de deiscência de ferida cirúrgica.


Palavras-chave: Lesão por Pressão. Ferimentos e Lesões. Retalhos Cirúrgicos. Cirurgia Plástica.

Óbitos por trauma abdominal: análise de 1888 autopsias médico-legais

Deaths from abdominal trauma: analysis of 1888 forensic autopsies

Polyanna Helena Coelho Bordoni; Daniela Magalhães Moreira dos Santos; Jaísa Santana Teixeira; Leonardo Santos Bordoni

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):582-595

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: avaliar o perfil epidemiológico dos óbitos por trauma abdominal no Instituto Médico Legal de Belo Horizonte.
MÉTODOS: estudo retrospectivo dos laudos de óbitos relacionados a trauma abdominal necropsiados no período de 2006 a 2011.
RESULTADOS: foram analisados 1888 laudos necroscópicos de trauma abdominal. O trauma penetrante foi mais comum que o contuso, e o decorrente de projéteis de arma de fogo mais prevalente que o relacionado a armas brancas. A maioria dos indivíduos era do sexo masculino, morena, solteira e ativa do ponto de vista ocupacional. A média etária foi de 34 anos. O homicídio foi a circunstância do óbito mais prevalente, seguido dos acidentes de trânsito, e quase a metade dos casos foi recebida no Instituto Médico Legal proveniente de uma unidade saúde. Os órgãos abdominais mais lesados no trauma penetrante foram o fígado e os intestinos, e no trauma contuso foram o fígado e o baço. A pesquisa de alcoolemia foi positiva em um terço das necropsias onde foi realizada. Cocaína e maconha foram as substâncias mais encontradas nos exames toxicológicos.
CONCLUSÃO: nesta amostra houve predominância do trauma abdominal penetrante, em homens jovens, morenos e solteiros, sendo o fígado o órgão mais lesado.


Palavras-chave: Autopsia. Medicina Legal. Homicídio. Traumatismos Abdominais.

Comparação entre exame clínico seriado isolado e tomografia computadorizada nos ferimentos por arma branca na parede anterior do abdome

Comparison between isolated serial clinical examination and computed tomography for stab wounds in the anterior abdominal wall

Ricardo Breigeiron, TCBC-RS; Tiago Cataldo Breitenbach; Lucas Adalberto Geraldi Zanini; Carlos Otavio Corso, TCBC-RS

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):596-602

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: comparar tomografia computadorizada de abdome (TC) com exame clínico seriado (ECS) isolado na condução de ferimentos por arma branca na região anterior do abdome.
MÉTODOS: estudo prospectivo, randomizado, realizado no Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre em que pacientes com ferimentos por arma branca na parede anterior do abdome, sem indicação de laparotomia imediata, foram divididos em dois grupos: grupo TC e grupo ECS, No grupo ECS, os pacientes eram observados com exame clínico seriado de 6/6h, No grupo TC, eram submetidos à tomografia computadorizada de abdome após a avaliação inicial.
RESULTADOS: dos 66 pacientes estudados, 33 foram selecionados para cada grupo, Do total, seis foram submetidos à cirurgia, três de cada grupo, No grupo ECS, pacientes submetidos à cirurgia tiveram média de 12h entre a chegada e o diagnóstico, sem laparotomias não terapêuticas, Os 30 pacientes restantes deste grupo receberam alta após 24h de observação, No grupo TC, três pacientes apresentaram alterações na TC e foram submetidos à laparotomia, uma não terapêutica, Os demais receberam alta após observação de 24h, A tomografia computadorizada de abdome apresentou valor preditivo positivo (VPP) de 67% e valor preditivo negativo (VPN) de 100%, com acurácia de 96%, O exame clínico seriado isolado, teve VPP e VPN de 100%, com acurácia de 100%.
CONCLUSÃO: o manejo seletivo para ferimentos por arma branca na parede abdominal anterior é seguro, caso obedeça a uma seleção rigorosa dos pacientes, O exame clínico seriado isolado pode ser realizado sem a necessidade de tomografia, sem aumento do tempo de internação ou da morbidade, o que reduz custos, exposição à radiação, morbimortalidade e laparotomias não terapêuticas.


Palavras-chave: Tomografia Computadorizada de Emissão. Ferimentos Perfurantes. Abdome. Exame Físico.

Injeção intravítrea de polissorbato 80: estudo funcional e morfológico

Intravitreal injection of polysorbate 80: a functional and morphological study

Francisco Max Damico; Fábio Gasparin; Gabriela Lourençon Ioshimoto; Thais Zamudio Igami; Armando da Silva Cunha Jr.; Silvia Ligorio Fialho; Andre Mauricio Liber; Lucy Hwa-Yue Young; Dora Fix Ventura

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):603-611

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: determinar os efeitos funcionais e morfológicos na retina de coelhos da concentração de PS80 utilizada na preparação de drogas intravítreas.
MÉTODOS: onze coelhos New Zealand receberam injeção intravítrea de 0,1ml de PS80. Como controle, o olho contralateral de cada coelho recebeu o mesmo volume de soro fisiológico. Foram realizados eletrorretinogramas de acordo com o protocolo modificado, biomicroscopia e mapeamento de retina antes da injeção, sete e dez dias depois. Os animais foram sacrificados no 30o dia e as retinas analisadas por microscopia de luz.
RESULTADOS: os olhos injetados com PS80 não apresentaram sinais clínicos de inflamação intraocular. O eletrorretinograma não apresentou alteração de amplitude e tempo implícito das ondas a e b nas condições escotópica e fotópica. Não houve alteração morfológica da retina na microscopia de luz.
CONCLUSÃO: a injeção intravítrea de PS80 na concentração utilizada na preparação de drogas intravítreas não causa alterações funcionais e morfológicas na retina de coelhos. Esses resultados sugerem que o PS80 não é tóxico para a retina de coelhos e pode ser usado com segurança na preparação de novas drogas lipofílicas para injeção intravítrea.


Palavras-chave: Polissorbatos. Retina. Eletrorretinografia. Injeções Intravítreas. Achados Morfológicos e Microscópicos.

Identificação do linfonodo sentinela utilizando hemossiderina em casos de câncer de mama localmente avançado

Identification of the sentinel lymph node using hemosiderin in locally advanced breast cancer

Paulo Henrique Walter de Aguiar, ACBC-CE; Ranniere Gurgel Furtado de Aquino; Mayara Maia Alves; Julio Marcus Sousa Correia; Ayane Layne de Sousa Oliveira; Antônio Brazil Viana Júnior; Luiz Gonzaga Porto Pinheiro, ECBC-CE

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):612-618

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: verificar a taxa de concordância na identificação do linfonodo sentinela utilizando um marcador autólogo rico em hemossiderina e o Tecnécio 99 (Tc99) em casos de câncer de mama localmente avançados.
MÉTODOS: ensaio clínico fase 1, do tipo prospectivo, não randomizado, em 18 pacientes portadoras de câncer de mama com axila clinicamente negativa em estádio T2=4cm, T3 e T4. As pacientes foram submetidas à injeção subareolar de um marcador autólogo rico em hemossiderina 48 horas antes do procedimento cirúrgico para biópsia do linfonodo sentinela, e sua taxa de identificação foi comparada, no intraoperatório, com o marcador radioativo Tc99 (padrão-ouro). A concordância entre os métodos foi estabelecida pelo índice de Kappa.
RESULTADOS: a taxa de identificação do linfonodo sentinela foi de 88,9%, com uma média de dois linfonodos sentinelas por paciente. O estudo identificou os linfonodos sentinelas corados com hemossiderina em 83,3% dos casos (n=15), quando comparados com a taxa de identificação do Tc99, tendo sido observada concordância em 94,4% dos casos estudados.
CONCLUSÃO: o marcador autólogo rico em hemossiderina se mostrou eficaz na identificação do linfonodo sentinela em casos de câncer de mama localmente avançado.


Palavras-chave: Neoplasias da Mama. Biópsia de Linfonodo Sentinela. Hemossiderina. Tecnécio.

O tamanho do cálculo renal e o uso do sistema nefrolitométrico podem aumentar a eficácia de predizer o risco de falha de nefrolitotripsia percutânea?

Can renal stone size and the use of the nephrolithometric system increase the efficacy of predicting the risk of failure of percutaneous nephrolithotripsy?

Eduardo Medina Felici, AsCBC-RJ; André Luiz Lima Diniz; Tomas Accioly Souza; Luciano Alves Favorito; José Anacleto Dutra Resende Júnior

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):619-625

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: verificar a associação entre taxa de sucesso de nefrolitotripsia percutânea, escore de Guy e tamanho do cálculo.
MÉTODOS: foram avaliados 100 pacientes submetidos à nefrolitotripsia percutânea. Todos os cálculos foram classificados de acordo com o escore de Guy. Consideramos o paciente livre de cálculos quando os fragmentos residuais fossem menores ou iguais a 2mm.
RESULTADOS: de acordo com o escore de Guy, 54% tinham escore 1 (Grupo 1), 18% escore 2 (Grupo 2), 15% escore 3 (Grupo 3) e 13% escore 4 (Grupo 4) . Houve resolução de 77,77% no grupo 1, de 27,77% no grupo 2, de 26,6% no grupo 3 e de 7,69% no grupo 4. Houve significância estatística para predição de taxa livre de cálculos entre os pacientes com escore de Guy 1 quando avaliados de acordo com o tamanho do cálculo. Entre os grupos 2, 3 e 4 não houve significância estatística, porém observamos tendência de que quanto maior o tamanho do cálculo, maior a chance de cálculo residual.
CONCLUSÃO: a nefrolitometria pelo Escore de Guy e o tamanho do cálculo são preditores isolados para avaliação de sucesso da nefrolitotripsia percutânea. O tamanho do cálculo pode influenciar a taxa de sucesso de pacientes com Escore de Guy 1.


Palavras-chave: Cálculos Renais. Nefrolitíase. Litotripsia. Pontuação de Propensão.

Exclusão de lesões intra-abdominais em vítimas de trauma fechado através de variáveis clínicas e ultrassom abdominal completo

Ruling out intra-abdominal injuries in blunt trauma patients using clinical criteria and abdominal ultrasound

Flávia Helena Barbosa Moura, AsCBC-SP; José Gustavo Parreira, TCBC-SP; Thiara Mattos; Giovanna Zucchini Rondini; Cristiano Below; Jacqueline Arantes G. Perlingeiro, TCBC-SP; Silvia Cristine Soldá, TCBC-SP; José Cesar Assef, TCBC-SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):626-632

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: identificar vítimas de trauma fechado de abdome nas quais as lesões intra-abdominais possam ser excluídas por critérios clínicos e por ultrassonografia abdominal completa.
MÉTODOS: análise retrospectiva de vítimas de trauma fechado em que se analisou as seguintes variáveis clínicas: estabilidade hemodinâmica, exame neurológico normal à admissão, exame físico do tórax, do abdome e da pelve normais à admissão e ausência de lesões distrativas (Abbreviated Injury Scale >2 em crânio, tórax e/ou extremidades). Em seguida estudou-se o resultado da ultrassonografia no grupo de pacientes com todas as variáveis clínicas avaliadas.
RESULTADOS: estudamos 5536 vítimas de trauma fechado. Lesões intra-abdominais com AIS>1 foram identificadas em 144 (2,6%) casos; em pacientes com estabilidade hemodinâmica, estavam presentes em 86 (2%); naqueles com estabilidade hemodinâmica e exame neurológico normal à admissão em 50 (1,8%); nos casos com estabilidade hemodinâmica, exame neurológico e do tórax normais à admissão em 39 (1,5%); em pacientes com estabilidade hemodinâmica e com exame neurológico, do tórax, do abdome e da pelve normais em 12 (0,5%); naqueles com estabilidade hemodinâmica e com exame neurológico, do tórax, do abdome e da pelve normais e ausência de lesões distrativas, em apenas dois (0,1%) pacientes. Nos pacientes com todas as variáveis clínicas, 693 apresentavam ultrassonografia abdominal completa normal e, neste grupo, não foram identificadas lesões intra-abdominais posteriormente.
CONCLUSÃO: pela somatória de critérios clínicos e ultrassonografia abdominal completa, é possível identificar um grupo de vítimas de trauma fechado com baixa chance de apresentar lesões intra-abdominais significativas.


Palavras-chave: Traumatismos Abdominais. Diagnóstico Tardio. Diagnóstico. Ultrassonografia. Causas Externas. Traumatismo Múltiplo.

Artigo de Revisão

Diretriz ACERTO de intervenções nutricionais no perioperatório em cirurgia geral eletiva

ACERTO guidelines of perioperative nutritional interventions in elective general surgery

José Eduardo de-Aguilar-Nascimento; Alberto Bicudo Salomão; Dan Linetzky Waitzberg; Diana Borges Dock-Nascimento; Maria Isabel T. D. Correa; Antonio Carlos L. Campos; Paulo Roberto Corsi; Pedro Eder Portari Filho; Cervantes Caporossi; Comissão de Cuidados Perioperatórios do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral (SBNPE)

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):633-648

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: apresentar recomendações, baseadas no Projeto ACERTO (Aceleração da Recuperação Total Pós-Operatória) e sustentada por evidências, relativas aos cuidados nutricionais perioperatórios em procedimentos eletivos em Cirurgia Geral.
MÉTODOS: revisão da literatura pertinente entre 2006 e 2016, com base em busca realizada nas principais bases de dados, com o intuito de responder a perguntas norteadoras previamente formuladas por especialistas, dentro de cada temática desta diretriz. Foram selecionados alguns estudos de coorte, mas, preferencialmente, foram utilizados estudos aleatórios controlados, revisões sistemáticas e meta-análises. Cada pergunta norteadora de recomendação foi contextualizada de modo a determinar a qualidade da evidência e a força desta recomendação (GRADE). Este material foi enviado aos autores utilizando um questionário aberto on-line. Após o recebimento das respostas, formalizou-se o consenso para cada recomendação desta diretriz.
RESULTADOS: o nível de evidência e o grau de recomendação para cada item é apresentado em forma de texto, seguido de resumo da evidência encontrada.
CONCLUSÃO: esta diretriz traduz as recomendações do grupo de especialistas do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral e do Projeto ACERTO para intervenções nutricionais no período perioperatório em Cirurgia Geral eletiva. A prescrição dessas recomendações pode acelerar a recuperação pós-operatória de pacientes submetidos a operações eletivas em cirurgia geral, com diminuição de morbidade, do tempo de internação e de reinternações e, consequentemente, dos custos.


Palavras-chave: Assistência Perioperatória. Terapia Nutricional. Protocolos. Guia de Prática Clínica.

A redução do número de pontos pode comprometer o resultado da cirurgia de Burch por via laparoscópica no tratamento da incontinência urinária de esforço? Revisão sistematizada e metanálise

Can reducing the number of stitches compromise the outcome of laparoscopic Burch surgery in the treatment of stress urinary incontinence? Systematic review and meta-analysis

Ricardo José Souza; José Anacleto Dutra Resende Júnior; Clarice Guimarães Miglio;Leila Cristina Soares Brollo; Marco Aurélio Pinho Oliveira; Claudio Peixoto Crispi

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):649-654

Resumo PDF PT PDF EN

A colpossuspensão retropúbica no tratamento da incontinência urinária de esforço vem sendo resgatada com a via laparoscópica. Alguns autores reduziram o número de suturas, de duas para uma, devido à dificuldade de sutura por esta via. Até que ponto essa modificação pode comprometer o resultado? Para responder a esta pergunta, foi realizada uma revisão sistemática e metanálise nas bases de dados MEDLINE/PubMed e LILACS/SciELO entre 1990 e 2015. Incluímos ensaios clínicos randomizados, estudos de coorte, caso controle, comparando Burch laparoscópico versus Burch aberto e duas versus uma sutura no Burch laparoscópico, com follow-up mínimo de um ano. Quatorze estudos compararam Burch laparoscópico versus aberto, nos quais não encontramos diferenças entre as duas técnicas, utilizando uma sutura (Risco Relativo (RR) de 0,94 [IC 95% - 0,79-1,11]) e duas suturas (RR de 1,03 [IC 95% - 0,97-1,10]). Apenas um estudo comparou uma sutura versus duas suturas no Burch laparoscópico, com taxas de cura de 68% versus 87%, respectivamente (p-valor=0,02). Quando comparadas técnica aberta com duas suturas versus laparoscópica com uma sutura e técnica aberta com duas suturas versus laparoscópica com duas suturas, não identificamos diferenças. O estudo que comparou uma versus duas suturas laparoscópicas demonstrou resultado superior com a técnica de duas suturas. Apesar de não haver evidências robustas, quando a cirurgia de Burch for realizada por via laparoscópica, o uso de duas suturas parece ser a melhor opção.


Palavras-chave: Incontinência Urinária por Estresse. Laparoscopia. Resultado do Tratamento. Revisão. Metanálise.

Nota Técnica

Laminação tumoral nos tumores gigantes do mediastino

Tumor lamination in mediastinal giant tumors

Elias Kallas; Rafael Diniz Abrantes; Alexandre Ciappina Hueb

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):655-658

Resumo PDF PT PDF EN

Tumores do mediastino podem crescer lentamente e atingir proporções gigantes sem apresentar sintomas, tornando a remoção cirúrgica problemática. As dimensões exacerbadas da neoplasia dificultam as manobras cirúrgicas, com risco de hemorragia incontrolável e comprometimento de estruturas adjacentes, levando à utilização de medidas de exceção, como a derivação circulatória veno-venosa, a embolização pré-operatória e a circulação extracorpórea total. Diante disto, descrevemos a técnica de laminação tumoral, que permite a ressecção total ou quase total de tumores considerados, muitas vezes, irressecáveis, tendo por base os resultados alcançados em quatro pacientes portadores de neoplasias gigantes do mediastino.


Palavras-chave: Cirurgia Torácica. Neoplasias do Mediastino. Procedimentos Cirúrgicos Operatórios.

“Punch grafts” nas úlceras de membros inferiores de difícil tratamento

Punch grafts to treat lower limb intractable sores

Júlio Wilson Fernandes; Rafael Sonoda Akamine; Eduardo Castilho Casagrande

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):659-664

Resumo PDF PT PDF EN

As ulcerações recidivantes de membros inferiores, decorrentes de decúbito prolongado, trauma, diabetes ou queimaduras, podem não responder adequadamente aos tratamentos convencionais, clínicos e cirúrgicos. Frequentemente, nestes casos, enxertos de pele laminada não se integram ao leito receptor, deixando o uso de retalhos de vizinhança e microcirúrgicos como únicas alternativas. Estes retalhos implicam em maior morbidade e criam defeitos secundários, a serem reparados por enxertos de pele, após fornecerem o segmento cutâneo, fasciocutâneo ou miocutâneo para o tratamento do defeito primário. Descrevemos o uso não convencional de enxertos em punch (“punch grafts”) no tratamento de ulcerações de membros inferiores, em situações em que a enxertia de pele laminada convencional não teve sucesso e retalhos não foram empregados. Pelo êxito desta técnica, seu uso deve ser considerado como uma valiosa alternativa no tratamento de úlceras recidivantes de membros inferiores. Sendo uma técnica simples e de fácil aprendizado, pode ser empregada por cirurgiões de diferentes especialidades, mesmo em locais remotos, onde inexistam as facilidades de um centro médico-hospitalar especializado.


Palavras-chave: Úlcera da Perna. Curativos Biológicos. Transplante de Pele.

Errata

Errata

Erratum

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):665

PDF PT PDF EN


Copyright 2018 - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões